segunda-feira, 9 de novembro de 2015

PÚBLICO E PRIVADO – O SEGREDO NAS RELAÇÕES

PÚBLICO E PRIVADO

O SEGREDO NAS RELAÇÕES

Público, privado, redes sociais, facebook, lutos, apego,vaidade, segredo, Arly Cravo, Gaiarsa, inveja

Este é um tema que estou sempre pensando, principalmente porque minhas redes sociais são abertas ao público em geral, uma vez que as utilizo direcionadas para meu trabalho como psicóloga, terapeuta de casais e famílias, e como escritora do blog.
Apesar das minhas redes serem abertas, eu tenho informações no facebook, como fotos, por exemplo, que são confidenciais ou são divididas com apenas alguns amigos, pois existem aspectos da minha vida que faço questão de serem privados, apesar de explicitar, deixar público, nos meus textos outros aspectos os quais escolho mostrar quando quero exemplificar com alguma experiência minha.
Recentemente, olhando alguns perfis de homens possíveis pretendentes a namorados, vi que alguns, apesar de estarem solteiros no momento, seguem deixando abertas ao público, fotos dos seus antigos relacionamentos.
Como mulher isso me incomoda profundamente. Eu não gostaria que meu pretendente, ou possível namorado tivesse fotos da ex nas redes sociais. Não me importo que a pessoa tenha fotos, objetos, até cartas e e-mails dos relacionamentos que foram importantes, desde que estejam numa “caixinha secreta no fundo do guarda-roupas”. Eu acho que algumas coisas precisam ficar no espaço privado, e pra mim, este é o lugar onde estas recordações relacionais devem estar.
Infelizmente, com as redes sociais, tudo (ou quase tudo) passa a ser de domínio público, virando uma coleção de exibições sobre a felicidade (ou pseudofelicidade) daquelas pessoas que postam cada passo de suas vidas e de seus relacionamentos.
Tirando a minha opinião pessoal e fazendo um esforço para pensar sobre as questões emocionais de forma mais psicológica, a primeira coisa que podemos avaliar, é o quanto essa pessoa que deixa suas experiências pregressas em público, está de fato ligada ao passado, sem resolver os lutos dos relacionamentos anteriores. Alguns lutos demoram anos para serem realmente resolvidos, outros jamais o serão, pelo menos sem uma boa terapia.
Possivelmente, deixar fotos e mensagens nas redes sociais pode ser um indício de que essa pessoa, em algum aspecto, ainda precisa se alimentar daquelas informações, seja por apego a própria vivência, seja por necessidade de autoafirmação, seja por não ter fechado algo daquele relacionamento.
Público, privado, redes sociais, facebook, lutos, apego,vaidade, segredo, Arly Cravo, Gaiarsa, inveja
Por outro lado, em se tratando de um casal já formado, e que também tem necessidade de postar sua vida amorosa nas redes, de forma exagerada, é preciso avaliar questões como a vaidade, a necessidade de afirmação e autoafirmação para a sociedade de que agora eles encaixam no padrão, assim como jogos relacionais direcionados aos outros com os quais cada parceiro possui algum desafeto.
Seja pelo luto não resolvido, pela necessidade de autoafirmação ou qualquer dessas questões acima discutidas, a exibição pública excessiva da vida (que deveria ser) privada se torna inadequada. 
Em um dos vídeos do Arly Cravo, “O segredo do amor é o segredo”, ele aborda a importância de se manter o segredo sobre um verdadeiro amor que você esteja vivendo, em relação as outras pessoas da família ou da sociedade. Ele argumenta sobre como um casal pode estar sujeito a ter seu amor prejudicado por influências negativas das pessoas ao redor.
No vídeo o autor comenta sobre uma frase de José Ângelo Gaiarsa, onde ele diz que “A sociedade não perdoa quem tem cara de felicidade”. Infelizmente, quando você expõe sua boa e saudável vida amorosa para o outro, é possível despertar nele sentimentos diversos como inveja, raiva, frustração, traição, desejo de vingança e controle. Isso porque o outro não está vivendo ou nunca viveu a mesma coisa e acaba se deparando com o próprio buraco afetivo. Dessa forma, a maioria das pessoas acabará emanando para o casal, em formas de comentários, tentativas de controle e julgamentos desnecessários diretos ou indiretos, energias prejudiciais, especialmente quando o casal está fazendo o esforço para se estabelecer e fortalecer seus laços.
O casal aos poucos vai absorvendo essas energias e lentamente o amor vai sendo comprometido, diminuindo sua potência, vitalidade e beleza, contaminado com o lixo tóxico da inveja e demais sentimentos alheios.
Portanto, para uma relação se estabelecer de forma sólida, ela precisa ser construída no espaço privado, visando que o casal coloque fronteiras claras, um limite bem definido, entre seu núcleo relacional amoroso e as suas outras relações. 

Arly Cravo fala na manutenção do amor em segredo, não de uma forma radical, mas de uma forma consistente com o objetivo de proteger esse sentimento e essa vivência tão especiais. O compartilhar da relação deve ser ao máximo evitado, e quando vier ao público, cada parceiro deve evitar expor essa intimidade amorosa, escolhendo a dedo quem realmente é de confiança para dividir seus sentimentos. Pensando dessa forma, podemos compreender o quanto a privacidade é importante e necessária na vida e nos relacionamentos. 

Não sou contra as redes sociais, nem contra as postagens pessoais que todos fazemos. Até num outro texto meu, eu abordo como podemos usar desses meios para investigar nossos pretendentes e não entrar numa furada relacional.

O que estou fazendo neste texto é um convite para refletirmos e avaliarmos sobre o que pertence ao Espaço Público e ao Espaço Privado de nossas vidas. Precisamos fazer isso com cautela para que ambos sejam bem utilizados ao nosso favor e não sejam resultado de nossas questões emocionais ou da manipulação, jogos de poder e controle das relações, da sociedade e da cultura.

Adriana Freitas
Psicoterapeuta Sistêmica
em Belo Horizonte
Instagran: @solteirosecasais

Referência da Figura
1 e 2 - retiradas do google imagens

#adrianafreitas #adrianafreitaspsicoterapeuta #solteirosecasais #amor #afetividade #carinho #relacionamentos #relação #comportamento #terapiadecasal #sexualidade #casal #casamento #solteiros #saúde #comunicação #paixão #carência #parceiro #cuidar #saudades #psicologia #psicóloga #terapiafamiliar #sistêmica #visãosistêmica #terapia #belohorizonte #psicologabh #publicoprivado #segredonasrelações

4 comentários:


  1. Adriana.... Alguns casais não tem em suas redes sociais o parceiro. O que você pensa sobre isso? Jocilaine

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Jocilaine, agradeço sua pergunta!
      a princípio eu pensaria que isso pode estar relacionado a uma dificuldade dos parceiros de se exporem como um casal ao mostrarem seu status de relacionamento na rede, ou também a algum problema de intimidade. No entanto, depende de como isso é acertado entre o casal. Muita gente já passou por sérios problemas de insegurança, paranoia e perseguição com antigos parceiros e preferem não ter o parceiro atual na rede para não gerar os mesmos tipos de problema.
      No fim das contas, se para o casal isso é combinado e tranquilo não há problemas. Mas se você gostaria de ter seu parceiro na rede, já comunicou isso pra ele claramente e mesmo assim ele se recusa, isso pode ser um problema para a relação. Se você não aceita a situação, infelizmente isso irá gerar uma desconfiança que pode prejudicar o vínculo verdadeiro.
      Espero ter clareado a questão pra você!
      Um abraço, Adriana

      Excluir
  2. Ola Adriana te acompanhando desde que assiti sua palestra no percursos!
    Amo tudo que vc escreve vc tem o dom pra escrever, Parabens, e sucesso sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho e pela torcida Sueli. Fico muito feliz em saber que vc acompanha e gosta dos meus textos!
      Um abraço carinhoso
      Adriana

      Excluir