domingo, 31 de maio de 2015

O QUE É UM AMOR MADURO?

O QUE É UM AMOR MADURO? 
amor maduro, amor, Arly Cravo, Coach Relacional, empatia, egoísta, generoso, criança carente

Venho pensando sobre essa questão, e não tenho uma resposta pronta, mas fiz alguns levantamentos de ideias, que em minha opinião levam ao amadurecimento das pessoas e das relações. Neste post separei três itens para começarmos nossas reflexões. Vejamos:
Empatia – este é um ponto muito importante em qualquer relação. Significa a capacidade psicológica de se colocar no lugar de outra pessoa, tentando compreender seus sentimentos e emoções diante das situações vividas. A empatia leva as pessoas à generosidade, pois na medida em que cada indivíduo compreende a dificuldade do parceiro, saberá respeitar seus limites e procurará ajudá-lo a superar os problemas vividos.
Quando um parceiro é empático com outro, ele tenta compreender quando suas atitudes geram impacto negativo nos sentimentos do outro, sem se armar de milhões de estratégias para se defender, e sem atacar. Ele tem a tranquilidade de saber que não quis ofender e quer mostrar isso amorosamente, ajudando o outro a se sentir seguro e amado.
Por outro lado, um parceiro não empático não se importa com o sentimento do outro, e é de certa forma egoísta ou egocêntrico, só enxergando a si mesmo. Existem casais complementares de egoístas e generosos, mas nessas relações a troca afetiva é bastante comprometida e unilateral.
Perceber as Necessidades do Outro – pessoas egoístas e egocentradas não enxergam o parceiro e, portanto, só oferecem o que elas mesmas querem.  Por exemplo, só querem sair para lugares que gostam, dão presentes que têm a ver mais com elas ou nem sabem dar presentes dando dinheiro ou pedindo pra própria pessoa ou uma amizade escolher.
Numa relação que está amadurecendo, cada parceiro quer conhecer o outro, aprofundar na intimidade, saber dos seus desejos e anseios mais profundos, de suas crenças, valores, sonhos e projetos. E faz o que pode para ajudar o outro a crescer e desenvolver seus potenciais. Ao perceber suas necessidades, tenta oferecer da melhor forma possível o que o outro precisa, fazendo bem a ele.
Oferecer o Seu Melhor – somos seres muito carentes e o tempo todo estamos buscando alguém que cuide de nós. Nessa busca nos tornamos iguais mendigos de amor e deixamos de oferecer ou oferecemos muito pouco de nós mesmos, pedindo mais do que doando para a relação.
Também temos o costume de fazer uma contabilidade relacional, um livro de créditos e débitos, que restringe bastante a doação nos relacionamentos, pois o tempo todo ficamos verificando o que o outro nos oferece ou deixa de oferecer para num momento seguinte cobrar os débitos.
No amor maduro, cada um oferece o que tem de melhor, sem se preocupar com contas, sabendo que ao fazê-lo, receberá em troca o melhor do outro também. E sabe que quando o outro não está doando, é porque ele não está disponível naquele momento, mas tem a segurança de que a relação é de troca e não de abuso.
Em resumo, no amor imaturo, as pessoas são ainda muito infantis e demandam mais o cuidado do outro, como crianças querem os cuidados paternais. No amor maduro, as pessoas já são mais adultas, sabem cuidar de si mesmas e passam a doar mais de si mesmas ao outro. Assim, nas relações em processo de amadurecimento, a doação é um ponto de grande importância e a parceria vem para agregar e não para subtrair.
Querido leitor, deixe seus comentários sobre o que achou desse texto no espaço para comentários abaixo. Diga também quais outros pontos você entende como fazendo parte do amor maduro.

*O vídeo de Arly Cravo, Coach Relacional em São Paulo (acesse no link), foi inspirador para escrever este post.

 Adriana Freitas
Psicoterapeuta Sistêmica
em Belo Horizonte

Referência da Figura

#adrianafreitas #adrianafreitaspsicoterapeuta #solteirosecasais #amor #afetividade #carinho #relacionamentos #relação #comportamento #terapiadecasal #sexualidade #casal #casamento #solteiros #saúde #comunicação #paixão #carência #parceiro #cuidar #saudades #psicologia #psicóloga #terapiafamiliar #sistêmica #visãosistêmica #terapia #belohorizonte #amormaduro

4 comentários:

  1. Que lindo artigo, Adriana!
    Muito oportuno!
    Virei fã assídua do blog... rs
    Sucesso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada Juliana!
      Fico feliz que vc esteja gostando e acompanhando o blog!
      Um abraço
      Adriana

      Excluir
  2. Parabéns Adriana , muito bom o texto que nos revela como é difícil ser empático e como é importante nas relações humanas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por deixar seu comentário Luzinete! Fico feliz que tenha gostado do texto e refletido sobre a importância da empatia nas relações amorosas.
      Um abraço,
      Adriana

      Excluir