segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

SERVIDÃO versus SERVIR NOS RELACIONAMENTOS

SERVIDÃO versus 

SERVIR NOS RELACIONAMENTOS


Cada dia mais tenho visto na prática clínica com casais, como os parceiros têm expectativas de servidão um com o outro, e como essa expectativa os fazem infelizes, hostis e conflituosos.

Durante a paixão, cada parceiro é um grande servidor, pois é natural mostrar suas melhores partes na época da sedução e da conquista. Depois, já mais seguros da conquista, quando a realidade das personalidades começa a aparecer e os defeitos vão ficando evidentes, a paixão acaba e os indivíduos começam a economizar na doação e a exigir do outro o que estou chamando de servidão.

A servidão é quando achamos (consciente ou inconscientemente) que o parceiro é obrigado a fazer o que queremos que ele faça, quando não pedimos, mas exigimos ser atendidos. E quando ele não o faz, ficamos ressentidos querendo cobrar a qualquer custo a realização do nosso desejo. É como se um parceiro estivesse na vida a serviço do outro e não tivesse vida própria.

A exigência por servidão só gera ou aumenta os muros de defesas entre os parceiros, uma vez que elas vêm através das inúmeras cobranças, acusações e culpabilizações.

Quando o relacionamento é operado no "regime" de servidão, tristeza, mágoa, raiva e ressentimento, são os sentimentos mais presentes, levando os parceiros ao adoecimento e a uma parceria doentia.

Por outro lado, numa relação saudável o "regime" predominante é o do servir. O ato de servir pode ser algo por um lado espontâneo e por outro planejado. Espontâneo porque quando estamos numa relação, podemos fazer pequenos atos de ajuda ao outro, na medida em que vemos a necessidade. E Planejado porque também precisamos pensar sobre o assunto, e em como investir para que a relação cresça. Uma relação não cresce sozinha apesar da nossa ilusão a esse respeito. Tal crescimento depende diretamente do como e o quanto investimos nosso tempo e disposição para ajudar a nós mesmos, para os projetos em comum do casal, e para ajudar o outro em seus projetos e desejos.

Matthew Kelly, em seu livro “Os Sete Níveis da Intimidade”, fala que o sentido da vida é nos tornarmos as melhores pessoas que podemos ser, e realizar o mais plenamente possível nosso potencial como seres humanos. Como correlato, um dos propósitos essenciais do relacionamento é ajudar um ao outro a se realizar o mais plenamente possível, gerando crescimento e realização através do convívio, do amor e da confiança.

Dessa forma, o servir nos relacionamentos não se torna uma obrigação a qual o outro vira escravo, mas sim um ato de amor na busca do crescimento pessoal de si mesmo e do parceiro.

Como sair então da servidão para o ato de servir?

Imagem que nos inspira a ideia do Servir


Primeiramente cuidando de si mesmo, pois por trás de toda expectativa tem um desejo não realizado, que o indivíduo coloca a responsabilidade no outro. Cuidando de si, de seus desejos e necessidades, já diminuem em muito as expectativas (veja o texto sobre esse cuidar de si).

Em segundo lugar, aprendendo a comunicar claramente e assertivamente suas necessidades, sem fazer jogo emocional ou jogar indiretas. Acreditem, ninguém tem bola de cristal, para adivinhar o desejo do outro! (confira o post sobre comunicação). E além disso, aprender a lidar com a frustração de não ser atendido é de suma importância para a saúde relacional.

Em terceiro lugar, aprenda a sua linguagem de amor e a do parceiro (leia o texto do blog sobre o assunto clicando aqui). Mostre para ele como você se sente mais amado e busque expressar amor da forma como seu parceiro gosta mais. Assim, podemos servir amorosamente e assertivamente.

Por último, gostaria de ressaltar, como já fiz em outros textos, aquele verso da Oração de São Francisco, “É dando que se recebe”, e lançar um desafio a você leitor: experimente fazer atos de servir, para seus parceiros, amigos, colegas de trabalho e filhos e observe qual a reação em resposta aos mesmos. Por um dia, uma semana, um mês, dois meses etc., persistentemente. Observe e compartilhe conosco os resultados no espaço para comentários abaixo!

Adriana Freitas
Psicoterapeuta Sistêmica
em Belo Horizonte

Referência das Figuras
 http://www.redbubble.com/people/theartoflove/works/2655610-missing-you 
2 - imagem retiradas do google imagens.
#adrianafreitas #solteirosecasais #amor #afetividade #carinho #relacionamentos #relação #comportamento #terapiadecasal #sexualidade #casal #casamento #solteiros #saúde #comunicação #paixão #carência #parceiro #cuidar #saudades #psicologia #psicóloga #terapiafamiliar #sistêmica #visãosistêmica #terapia #belohorizonte #servidão #atodeservir #servidãoxservir


2 comentários:

  1. BOA TARDE ADRIANA. ESTE TEXTO ME INSPIRA E ME MOTIVA EM MINHA JORNADA DE 'SERVIR'. GRANDE ABRAÇO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que o texto tenha sido inspirador e motivador pra vc Matheus!
      Boa sorte em sua jornada!
      Abs
      Adriana

      Excluir