domingo, 22 de fevereiro de 2015

ROMANTISMO CAFONA

ROMANTISMO CAFONA

Assistam o vídeo primeiro.


Quem nunca teve um lado romântico cafona?

Ontem estava ouvindo a música do vídeo acima, “All for love”, composta por Bryan Adams, Michael Kamen e Robert John Lange, e interpretada por Bryan Adams, Rod Stewart e Sting (três lindas vozes muito peculiares) para o filme “Os três mosqueteiros” em 1993.

Naquele exato momento fui acometida pelo meu lado cafona romântico, que adora músicas românticas antigas, que falam de um amor muito idealizado e quase perfeito. Vocês podem notar essa ideia na letra da música, em alguns versos: “eu serei a rocha em que você possa construir” ou “eu serei o muro que te protege do vento e da chuva, do machucado e da dor”, só pra citar alguns trechos.

Meu lado cafona não para por aí! Eu gostava ocasionalmente de ouvir o  programa “Good Times”, famoso e antigo – mais de 30 anos - na rádio BH-FM, que tocava esses mesmos tipos de música. Parece que o programa saiu do ar em 2013.

Acredito que a cafonice romântica só foi mudando de estilo, sendo difícil listar alguns, uma vez que todo mundo tem vergonha da sua própria, e somente deixa o parceiro saber entre quatro paredes, e olhe lá! Eu mesma escondo a minha e só a estou revelando aqui agora em nome do espírito blogueiro (rs).

Talvez o estilo cafona de hoje vá desde o sertanejo romântico, que fala desse mesmo amor idealizado e perdido com tamanha dor, passando pelas casas de baile que ainda tocam músicas de salão como boleros e outras músicas românticas, indo até aquelas declarações públicas de amor extremamente exageradas, as quais vemos em diversos vídeos no youtube. 

Mas a cafonice romântica tem entrado em desuso, especialmente na era tecnológica onde os meios de comunicação têm ficado cada vez mais digitalizados e a vida cada vez mais prática. O máximo de romantismo a que chegamos hoje é receber uma florzinha ou coraçãozinho por watsapp ou facebook, quiçá uma declaração de amor da mesma forma.

O que eu gosto e admiro nesse romantismo cafona é a capacidade de expressar o amor em forma de melodia, poesia e dança. O romântico cafona não tem problemas em declarar seu amor abertamente, mesmo quando corre o risco de ser rejeitado ou já o foi. Ele não se importa de parecer – ou ser – brega, piegas, retrô ou ridículo, seu foco é único e direcionado para o amado, os outros não são importantes.

Na verdade, expressar sentimentos é uma das coisas mais difíceis de se fazer pois não fomos educados para isso. E expressar o amor pelo outro nos deixa vulneráveis: será que o outro vai corresponder? Será que eu vou levar um fora?

Cafona ou não, o romantismo é sempre bem vindo num relacionamento, quando envolve ações prazerosas para ambos parceiros. Um jantar a luz de velas, ouvir músicas românticas que ambos gostam, dançá-las abraçados com ou sem roupa, declarações de amor ao pé do ouvido, pequenos presentes no dia a dia, enfim, todas as atitudes que sejam expressões de amor e carinho. 

Eu gostaria muito de conhecer o seu romantismo cafona! Revele e compartilhe aqui no blog suas cafonices no espaço para comentários abaixo!




Adriana Freitas
Psicoterapeuta Sistêmica
em Belo Horizonte

#adrianafreitas #solteirosecasais #amor #afetividade #carinho #relacionamentos #relação #comportamento #terapiadecasal #sexualidade #casal #casamento #solteiros #saúde #comunicação #paixão #carência #parceiro #cuidar #saudades #psicologia #psicóloga #terapiafamiliar #sistêmica #visãosistêmica #terapia #belohorizonte #romantismocafona

Nenhum comentário:

Postar um comentário