segunda-feira, 24 de novembro de 2014

ABUSO CONTRA MULHERES - QUANDO A RELAÇÃO FRACASSA EM VIOLÊNCIA E ABUSO NÃO FÍSICO

ABUSO CONTRA MULHERES

QUANDO A RELAÇÃO FRACASSA EM VIOLÊNCIA E ABUSO NÃO FÍSICO

abuso, violência, maria da penha, lei maria da penha, violência contra mulher,movimento feminista

Um mês sem escrever no blog. Muito tempo não é mesmo? O que eu estava fazendo? Gastando quase toda minha energia para sair de uma relação que se tornou abusiva com a imobiliária a qual alugava a sala do meu consultório em BH.
A história foi a seguinte: em setembro a imobiliária manda a cobrança do Seguro Contra Incêndio – que diga-se de passagem só beneficia o imóvel em caso de incêndio e não o que se encontra dentro dele – com um valor de mais de 100% de aumento em relação ao ano passado. Fiquei com muita raiva e tentei uma negociação de valores, denunciando o aumento abusivo, mas não consegui muita coisa, apenas uma diminuição do aumento para uns 75%. Depois veio a finalização do contrato, onde a imobiliária manda uma nova sugestão de preço, para “adequação aos preços de mercado”, com um aumento de R$200,00, sendo que se o aumento fosse seguir a tabela sugerida em contrato, seria de R$30,00. Comecei a pesquisar salas na região e encontrei salas no mesmo prédio por preços menores e novamente entrei em contato com a imobiliária para negociar, e consegui um aumento de R$50,00. Por último, mas que pra mim foi a gota d’água, um dos meus fiadores mudou de cidade e eu teria que trocá-lo, pois o outro fiador já não era de BH. Assim, enviei os documentos para a imobiliária e eles pediram outra ficha de cadastro porque a que enviei não estava com a mesma assinatura dos documentos. Solicitei a minha fiadora um documento com assinatura igual da ficha, ela me enviou e a imobiliária não aceitou, ainda querendo outra ficha. Eu tinha quatro anos de locação da sala e nunca atrasei um aluguel. Esperava que tivessem o mínimo de consideração pela minha idoneidade. Reiniciei minha pesquisa e aluguei outra sala. Bastava de tanto abuso.
Mas sair de uma relação abusiva gasta energia, disposição e tempo. São muitos detalhes para resolver entre a saída de uma sala e a mudança para uma sala nova. Reforma da sala antiga, mudança, agendamento de profissionais, documentações para a locação da sala nova, assinaturas, cartórios, inúmeras idas e vindas, no meio da continuidade da vida profissional e pessoal.
Foi nesse contexto que comecei a pensar na situação de mulheres abusadas, pela violência física e não física, por seus parceiros. Quando percebem o abuso – se é que percebem? Quais as crenças que as mantém na relação abusiva? Quando decidem e conseguem sair? Como sair dessas relações?
Por um lado, o abuso contra mulheres é resultado de uma crença machista e patriarcal extremamente arraigada na nossa cultura, que coloca homens e mulheres em posições hierárquicas e valorativas diferentes. O poder se encontra na figura masculina que pode utilizá-lo de qualquer maneira para controlar a figura feminina, tendo esta, a obrigação de obedecer de forma submissa e servil.
O Movimento Feminista, dentre outras ideias, se desenvolveu também em protesto e busca de mudança na perspectiva social da mulher, e mesmo com todos avanços alcançados, ainda hoje o problema da violência contra mulheres não está findo. Por exemplo no Brasil, a lei Maria da Penha, lei específica para os casos de violência contra mulheres, entrou em vigor em 22 de setembro de 2006, ou seja, há menos de 10 anos. E mesmo assim, inúmeros desses casos ainda chegam nas delegacias brasileiras.

abuso, violência, maria da penha, lei maria da penha, violência contra mulher,movimento feminista
Maria da Penha Maia Fernandes - Ativista pelos direitos das Mulheres
Veja a história por trás da Lei

Por outro lado, o abuso é também resultado de vivências violentas na história de origem dos indivíduos e das famílias. A cultura e a sociedade do século passado, infelizmente, permitiam o autoritarismo e a violência física de pais contra filhos, e ser criado em ambientes assim fez com que muitos homens se identificassem com os agressores, tornando-os um deles. Foi também dessas relações familiares que as mulheres conheceram seus conceitos de relação amorosa, e, portanto, entram e ficam em relações violentas. Ou seja, historicamente, o conceito de amor tanto do agressor quanto da agredida têm em comum a permissão para a violência, corroboradas em suas famílias de origem.
Então, como enxergar que uma relação é abusiva, quando o abuso é visto e vivido como normal no dia a dia das nossas famílias de origem? Esse é um dos motivos pelos quais as mulheres agredidas, física e não fisicamente, demoram para perceber que estão sendo abusadas. Elas tendem a se sentir culpadas e responsáveis pelo comportamento inadequado dos parceiros e tentam corrigir e corrigir e corrigir a si mesmas, apesar da impossibilidade de satisfazê-los. Existem muitas mulheres que passam anos nessa dinâmica enlouquecedora.
No livro “Feridas Invisíveis”, a autora Mary Susan Miller faz um extenso estudo sobre os abusos não físicos contra as mulheres. Nele, encontramos uma lista de perguntas para identificar se uma mulher sofre comportamentos abusivos de seus parceiros.
“O seu parceiro:
1.   Bate, esmurra, esbofeteia, empurra ou morde você?
2.   Ameaça feri-la ou aos seus filhos?
3.   Ameaça ferir amigos ou membros da família?
4.   Tem súbitos acessos de raiva ou fúria?
5.   Comporta-se de maneira superprotetora?
6.   Fica com ciúmes sem motivo?
7.   Não a deixa visitar a sua família ou os seus amigos?
8.   Não a deixa ir aonde você quer, quando quer?
9.   Não a deixa trabalhar ou estudar?
10. Destrói sua propriedade pessoal ou objetos de valor sentimental?
11. Não a deixa ter acesso aos bens da família, como contas bancárias, cartões de crédito ou o carro?
12. Controla todas as finanças e, obriga-a a prestar contas daquilo que você gasta?
13. Obriga-a a fazer sexo contra a sua vontade?
14. Força-a a participar de atos sexuais que você não aprecia?
15. Insulta-a ou chama-a por nomes pejorativos?
16. Usa a intimidação ou a manipulação para controlá-la ou a seus filhos?
17. Humilha-a diante dos filhos?
18. Transforma incidentes insignificantes em grandes discussões?
19. Maltrata ou ameaça maltratar animais de estimação?” (pág. 21-22).
Dos 19 itens da lista, apenas um é um comportamento de violência física. Os outros são considerados abusos não-físicos. É muito provável que muitos leitores identifiquem um ou mais desses comportamentos na própria relação ou nas relações de suas famílias de origem.
Basta! Dar um basta na relação abusiva com a imobiliária foi algo simples pra mim, já que tenho consciência, autoestima e renda. Mas dar um basta não é uma questão simples para uma mulher abusada. Na maioria das vezes elas estão com a autoestima completamente destruída pelas desqualificações e abusos psicológicos sofridos, foram afastadas do trabalho em função da exigência abusiva do parceiro, não tendo renda para se sustentar e aos filhos, e também sua rede social de apoio está muito comprometida, uma vez que foram abusadas também no afastamento do social. Foram bem treinadas para terem medo e ficarem paralisadas diante do medo, já que foram muito abusadas por inúmeras ameaças em todos os níveis.
Há que se ter muita coragem e inteligência-estratégica para sair dessas relações, além de uma fonte de apoio que possa servir de sustento, abrigo e principalmente proteção.
Existem programas sociais do governo que dão esconderijo para mulheres e seus filhos quando estão ameaçados de morte, quando a mulher decide sair do abuso. Há que se considerar que certos agressores são de fato psicopatas e podem matar mesmo, não apenas ficar nas ameaças.
Mas a mulher, primeiro precisa se fortalecer internamente: ter consciência do abuso, começar a questionar a veracidade de tudo que seu parceiro fala, desistir de fazer esforço por essa relação que já está fracassada, buscar mudar suas crenças sobre si mesma e sobre a afetividade nas relações, resgatar suas fontes de apoio e proteção e sua crença na própria capacidade de lutar e reconstruir a própria vida, saindo da dependência do parceiro abusivo. Ou seja, um caminho longo, difícil que requer um grande esforço pessoal, muita ajuda social e profissional.
Pensar sistemicamente também requer que pensemos o lado do agressor, como alguém que em algum momento da vida também foi vítima de um sistema violento e abusivo seja na criação familiar autoritária, seja na imposição de um conceito cultural de masculinidade onde o homem acredita precisar da violência para se afirmar enquanto macho, seja na disputa de poder nas relações para perpetuar a lógica do patriarcado. Tema que dá pano pra manga mas não será aprofundado neste texto. Infelizmente o homem, apesar de pequenos movimentos existentes, ainda não realizou um Movimento Masculinista – em comparação ao Movimento Feminista – que pudesse transformar profundamente o conceito de ser homem na nossa sociedade, o que acredito ser necessário para se efetivar uma mudança consistente na questão da violência de gênero.

Você se identificou com algum aspecto do texto? Deixe sua contribuição no espaço para comentários abaixo!
Adriana Freitas
Psicoterapeuta Sistêmica em BH

Siga o blog clicando em "Seja um seguidor" na lateral direita

Referências das Figuras
http://ongdcm.blogspot.com.br/p/lei-maria-da-penha.html
2 - http://cromossomox.com.br/2011/08/5-anos-de-lei-maria-da-penha-faca-valer-os-seus-direitos/
#adrianafreitas #solteirosecasais #amor #afetividade #carinho #relacionamentos #relação #comportamento #terapiadecasal #sexualidade #casal #casamento #solteiros #saúde #comunicação #paixão #carência #parceiro #cuidar #saudades #psicologia #psicóloga #terapiafamiliar #sistêmica #visãosistêmica #terapia #abusocontramulheres #violênciacontramulheres #leimariadapenha

Nenhum comentário:

Postar um comentário