sábado, 2 de agosto de 2014

A RAIVA NOS RELACIONAMENTOS - HOSTILIDADE CONJUGAL

A RAIVA NOS RELACIONAMENTOS

HOSTILIDADE CONJUGAL

raiva, relacionamentos, hostilidade conjugal, comunicação relacionamentos, frustração, narcicismo, inconsciente, agressividade

Ontem dei uma aula sobre Hostilidade Conjugal, para um grupo de colegas onde faço supervisão. O texto deste post é um resumo dessa aula.
Nossos relacionamentos nos despertam múltiplos sentimentos e emoções, bons e ruins, saudáveis e doentios. Por isso, uma diversidade de conflitos surgirá ao longo das relações, podendo gerar crescimentos, negociações ou destruições da autoestima dos indivíduos e de seus vínculos.
A dificuldade de lidar com os sentimentos no geral e mais especificamente com os sentimentos hostis faz com que levantemos a muralha de nossas defesas e bloqueemos os canais de comunicação. No entanto, os pensamentos e sentimentos encontrarão outras formas de expressão, que podem ser muito disfuncionais e até destrutivas para os indivíduos e as relações.
Não fomos ensinados a comunicar nossos sentimentos de forma assertiva. Como a raiva é conotada negativamente em nossa cultura e em nossas famílias, fica mais comprometida a sua expressão consciente. Dessa forma, processos de negação poderão muitas vezes camuflá-la atrás de outros sentimentos ou transformá-la em outros comportamentos.
A raiva encontrará outras formas de expressão implícitas e indiretas como o distanciamento, a indiferença, o boicote aos interesses individuais, a vitimização, até mesmo a autopunição e autodestruição.
O casamento se torna insatisfatório e hostil porque é baseado em projeções. Projetamos nos parceiros os desejos insatisfeitos das nossas primeiras relações de amor, ou seja, esperamos que as relações de casal venham suprir nossas carências mais básicas, aquele amor completo que nossos pais não puderam nos oferecer por causa de suas limitações humanas.
E assim, quando o casamento adquire uma função de salva-dor, já está fadado ao fracasso, pois está obrigado a resolver as carências, faltas e vazios infantis. Como nenhum parceiro consegue o tempo todo salvar a dor do outro, o casamento fica frustrante pois deixou de cumprir sua obrigação, e essa frustração é o propulsor da raiva.
Somos narcisistas. Só enxergamos a nós mesmos na relação. Não entramos nas relações pelo outro, mas sim pelo que o outro pode nos oferecer. O narcisismo designa o estado em que a libido é dirigida ao próprio ego, um amor excessivo a si mesmo. Em consequência disso, os três desejos secretos do amor têm a ver com: 1) a busca de fusão com o parceiro por causa do medo da solidão; 2) o desejo de aprovação do outro e de sua confirmação constante; 3) o desejo de estímulo que irá preencher o vazio das primeiras relações.

raiva, relacionamentos, hostilidade conjugal, comunicação relacionamentos, frustração, narcicismo, inconsciente, agressividade

Então, esses desejos envolvem uma preocupação básica consigo mesmo e com as próprias satisfações, sendo nutridos pela necessidade de receber em vez de dar amor. Nenhum tem alguma coisa a ver com dar amor para a outra pessoa. Só damos com a intenção de receber.
É triste nos deparar com nosso próprio egoísmo.
A vulnerabilidade narcisística está na essência de todos ou da maioria dos conflitos conjugais e o grau de vulnerabilidade de cada parceiro é muito semelhante, ainda que as manifestações superficiais possam ser incrivelmente diferentes.
E o problema se agrava pois além de esperar que o outro supra nossas necessidades e carências infantis, temos uma regra infeliz no contrato inconsciente do casamento que fala o seguinte:
“Eu tentarei ser algumas das coisas mais importantes que você quer de mim, ainda que algumas delas sejam impossíveis, contraditórias e loucas, desde que você seja para mim algumas das coisas impossíveis, contraditórias e loucas que eu quero que você seja. Não precisamos contar um ao outro o que essas coisas são, mas ficaremos zangados, aborrecidos ou deprimidos se não formos fiéis a isso” Pincus e Dare (conferir referência completa).
Ou seja, o contrato inconsciente reforça uma dificuldade comunicacional dos relacionamentos pois o outro tem que adivinhar o que eu desejo e preciso e se não o fizer isso será considerado desamor. Uma comunicação ruim aumenta significativamente a raiva e a hostilidade conjugal. As brigas ficam destrutivas e não chegam a lugar nenhum.
Os casais precisam aprender a utilizar sua energia agressiva para resolverem as suas frustrações relacionais e não para destruir o outro. E também para melhorarem sua comunicação e sua autoestima.
Numa comunicação construtiva há uma expressão clara de um problema particular, cada oponente escuta atentamente o outro, estabelece seu próprio posicionamento nitidamente, descobre o posicionamento do outro e desenvolve trocas de negociação. Há um movimento real em direção da resolução da dificuldade, o entendimento acentuado do outro e um compromisso negociado mutuamente.
No filme “Separados pelo Casamento” o casal entra numa comunicação completamente inadequada, num jogo sem fim, até que chegam a um “cessar fogo”, onde comunicam o que realmente precisava ser comunicado, mas infelizmente tarde demais, num momento em que a relação já havia sido destruída. Vejam a cena:



Além de buscarem a melhoria da comunicação, os parceiros também precisam aprender a cuidar de suas próprias carências e necessidades para não ficar esperando que o parceiro o faça. A responsabilização de cada indivíduo consigo mesmo é fundamental para a saúde das relações. Reconhecer e confirmar a si mesmos assim como buscar realizar seus desejos e projetos individuais, são questões importantes que favorecem a diminuição de expectativas nas relações conjugais e por consequência diminuem também a hostilidade conjugal.

Compartilhe os conosco seus pensamentos, opiniões e questões sobre este post e sobre o tema no espaço para comentários abaixo!
Adriana Freitas
Psicoterapeuta Sistêmica em BH

Siga o blog clicando em "Seja um seguidor" na lateral direita

Referências das Figuras
 http://minhavidaperfeita.com.br/terapia-de-casal-voce-tem-palavra/

#adrianafreitas #solteirosecasais #amor #afetividade #carinho #relacionamentos #relação #comportamento #terapiadecasal #sexualidade #casal #casamento #solteiros #saúde #comunicação #paixão #carência #parceiro #cuidar #saudades #psicologia #psicóloga #terapiafamiliar #sistêmica #visãosistêmica #terapia #raivarelacionamentos #hostilidadeconjugal

Nenhum comentário:

Postar um comentário